Acesse: Apelo maternal da Rainha do Céu

Acesse: Oração à Rainha Celestial para cada dia do mês de maio

A alma à Rainha do Céu:

Aqui estou, ó Santa Mãe, ao lado de seu berço, para ser espectadora de seu nascimento portentoso. Os Céus ficam atônitos; o sol a fixa com a sua luz; a terra exulta com alegria e se sente honrada de ser habitada por sua Rainhazinha recém-nascida; e os Anjos disputam para cercar seu berço a fim de honrá-la e estar prontos para responder a cada um de seus acenos. Então, todos a honram e querem comemorar seu nascimento. Eu também me uno a todos e me prostro diante de seu berço, no qual vejo a sua mãe, Ana, e seu pai, Joaquim. Quero lhe dizer minha primeira palavra; quero confiar-lhe os meus segredos; quero esvaziar o meu Coração no seu e dizer-lhe: “Minha Mãe, que é o alvorecer do Fiat Divino sobre a terra, oh! põe em retirada a noite sombria da vontade humana na minha alma e em todo o mundo! Ah! sim, que seu nascimento seja nossa esperança, que, como novo amanhecer da graça, pode nos regenerar no Reino da Divina Vontade!”

Lição da Rainha recém-nascida:

Filha do meu Coração, meu nascimento foi prodigioso. Nenhum outro nascimento pode ser dito semelhante ao meu. Anexei em mim o Céu, o Sol da Divina Vontade, e também a terra da minha humanidade, a terra abençoada e santa que continha a mais bela floração. Embora fosse apenas recém-nascida, continha o prodígio dos maiores prodígios: o Querer Divino reinante em mim, que colocava dentro de mim um Céu mais belo, um sol mais refulgente que toda a criação da qual eu também era Rainha. Também dentro de mim havia um mar de graças sem limites que murmurava sempre: amor, amor para com o meu Criador. Portanto, meu nascimento foi o verdadeiro amanhecer que pôs em fuga a noite do humano querer; e, crescendo, formava a aurora e chamava o dia mais esplêndido para fazer surgir o Sol do Verbo Eterno sobre a terra. 

Minha filha, venha ao meu berço e ouça sua pequena Mãe. Assim que nasci, abri meus olhos para ver este mundo, para ir em busca de todos os meus filhos, para colocá-los em meu Coração, dar-lhes meu amor materno e regenerá-los para a nova vida de amor e de graça, a fim de dar-lhes passagem para entrar no Reino do Fiat Divino, do qual eu era possuidora. Eu queria fazer como Rainha e Mãe, encerrando todos em meu Coração, para colocar todos em segurança e dar-lhes o grande dom do Reino Divino. Em meu Coração, mantive um lugar para todos, porque para quem possui a Divina Vontade não há estreitezas, mas larguezas infinitas. Portanto, também assisti você, minha filha; ninguém me escapou. E desde que todos naquele dia celebraram meu nascimento, também para mim foi uma festa; mas, ao abrir meus olhos para a luz, tive a dor de ver as criaturas na densa noite do humano querer.

Ah! em que abismo de escuridão se encontra a criatura, que se deixa dominar pela sua vontade! É noite verdadeira, mas noite sem estrelas; no máximo, há alguns relâmpagos de luz, relâmpagos que são facilmente seguidos pelo trovão, que, ressoando, engrossam ainda mais a densa escuridão e descarregam a tempestade sobre a pobre criatura: tempestade de medo, de fraquezas, de perigos, de quedas no mal.

Meu pequeno Coração ficou paralisado ao ver meus filhos sob a horrível tempestade em que a noite do humano querer os esmagou.

Agora, ouça a sua Mãezinha: ainda estou no berço, eu sou pequena; olhe minhas lágrimas que fluem para você! Cada vez que faz a sua vontade, é uma noite que se forma para você; e, se soubesse quanto mal esta noite faz, você choraria comigo. Isso faz perder a luz do dia do Querer Santo; vira-a de cabeça para baixo; paralisa-a no bem; destrói o verdadeiro amor; e você se torna como um pobre doente que não tem o necessário para se curar. Ah! querida filha, ouça-me: nunca faça a sua vontade; dê-me sua palavra para contentar sua Mãezinha.

A Alma:

Santa Mãezinha, sinto-me tremendo ao ouvir sobre a noite horrível da minha vontade. Portanto, aqui estou perto do seu berço para lhe pedir a graça, que por seu prodigioso nascimento, me deixe renascer na Vontade Divina. Eu sempre estarei perto da Senhora, pequeno bebê celestial; unirei minhas orações e minhas lágrimas às suas, implorando por mim e por todos o Reino da Divina Vontade sobre a terra.

Pequena flor:

Hoje, para me honrar, você me visitará três vezes no berço, dizendo-me cada vez: “Celestial Mãezinha, faça-me renascer com a Senhora na vida da Divina Vontade”.

Jaculatória:

Minha Mãezinha, faça surgir a aurora da Vontade Divina na minha alma.