“Quando a alma entra na Vontade do Pai e toma posse disso, a Divina Vontade passa a reinar e operar em nós”.

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Na última parte eu me esqueci de mencionar a data de falecimento de Luísa. Ela morreu no dia 4 de março de 1947. Ela morreu em seu quarto, mas muitos vieram para estar com ela em seus minutos finais. Quando ela estava morrendo ela pôde ver seu caminho para o Céu. Um caminho cercado por sóis brilhantes que ia até o Céu. Esses sóis representavam cada ação de Luísa, desde mover seu dedo, coçar sua sobrancelha, todos os atos de Luísa, pequenos ou grandes, praticados depois que ela recebeu seu dom. Desse sol espiritual diante de Deus, Ele permitiu que ela visse todos os sóis de seus próprios atos. E quando tentaram colocá-la em um caixão eles não conseguiam esticar seu corpo, pois ela permaneceu sentada por quase 64 anos em sua cama, com as costas eretas e as pernas esticadas. Então, não conseguiram esticá-la; tiveram que construir um caixão especial com o formato em que ela permanecera, feito de vidros nas laterais e na parte de cima para que pudessem vê-la enquanto a carregavam em procissão. Havia cerca de cem mil pessoas que vieram para seu funeral.

Agora, a necessidade do Livro do Céu, alguns tópicos dele, porque há milhares de tópicos. Mas temos alguns deles aqui hoje. O Livro do Céu explica tudo que Deus quer que a humanidade saiba sobre o Reino do Pai, que está agora por vir, e como vivê-lo na Terra. O Reino vem invisivelmente e espiritualmente se quisermos e pedirmos por ele. Nós podemos falar sobre isso em outro segmento. Ele diz: “quando minha Vontade passar a reinar e operar na alma, esta alma será reavivada e dirigida pela vida real de Deus. Não pela vida mística, mas pela vida real de Deus”. Jesus disse a Luísa que ela seria a primeira a viver a vida real de Deus em sua alma e também em seu corpo. Podemos estar nos perguntando: o que seria esta vida real? Basicamente é a vida eterna criada na Santíssima Trindade, a vida gerada pela Vontade Eterna. Ela tomou posse da Vontade Eterna e Ele formou sua vida real nela. O único outro exemplo que temos disso foi quando Jesus perdeu sua vida no monte sagrado, onde Ele perdeu sua vida rea,l não só sua vida mística, mas a vida real da Trindade Eterna.

Os sacramentos que Jesus deu à Igreja foram para nos ajudar, para construir um caminho para o Céu, porque quando Jesus abriu o portão do Céu durante sua vida, paixão e morte na terra ainda não se tornou fácil chegar lá; nós ainda temos que morrer para nossas próprias vontades de algumas formas. E nós precisamos de muita força, precisamos de muita ajuda. Ele estabeleceu a Igreja Católica, estabeleceu o sistema Sacramental, e também Ele nos dá sua graça real, mas os sacramentos nos dão graça santificante. Então, com essas ajudas e com a nossa, e a nossa cooperação com essas ajudas, nós podemos ir para o Céu, mas se não cooperarmos, será uma história ruim e não chegaremos ao Céu. Mas Jesus disse que no novo tempo que virá, nós ainda teríamos os sacramentos, mas que não seriam sacramentos para as doenças como temos durante todos esses anos, mas serão sacramentos para a saúde, de viver a verdadeira saúde da vida na Divina Vontade, e eles serão festividades; não que sejam minhas palavras ou que eu saiba mais sobre isso, mas foram essas palavras que Ele disse à Luísa. Jesus também nos disse, nós ouvimos sobre o Livro da Vida, que todo ser humano que já esteve neste mundo tem uma página escrita no Livro da Vida, com tudo que cada um tem que fazer, o que farão e o que Deus espera que se faça, e circunstâncias particulares da vida com o que deveriam fazer, como suas ações devem ser na vida aqui na Terra.

Ele disse que no novo tempo que virá e nos estágios fundamentais deste novo tempo, nós temos que começar a viver a Divina Vontade agora ou aprender seu fundamento, que no futuro estará por todo o mundo, para que todo o mundo seja mudado. Ele disse que a morte não terá poder algum sobre nós. E assim Jesus nos explica; Ele disse: “quando eu criei o ser humano, eu não determinei a duração de sua vida em anos, meses, dias, horas e minutos. Eu determinei a duração de sua vida pelo número de ações que eles fazem em sua vida.” Que podem ser boas ações, más ações ou ações indiferentes, mas o número de ações, e quando este número está completo, Ele leva sua alma. Disse que no novo tempo, quando as coisas voltarem para como eram no início no Jardim do Éden, de volta ao nosso estado original, não haverá doenças, não haverá pecado, e a morte não terá mais poder sobre nós. Não haverá pobreza, todos terão tudo que precisarem e não haverá dependência um do outro também; Ele explicou isso nos escritos. Jesus disse que não haverá infelicidade, todos serão felizes. E a capacidade em receber as bênçãos abundantes que Deus quer dar à raça humana, Ele vai derramar torrentes de bênçãos sobre bênçãos que não somos nem capazes de mensurar como serão. E seremos capazes de recebê-las, porque possuindo a Divina Vontade, nossa capacidade de recebê-las crescerá cada vez mais. É o que eu penso sobre isso. Maria é chamada “a cheia de Graça”. No momento de sua concepção ela já estava cheia de graça, mas quanto mais ela aprendia sobre a Divina Vontade em sua vida, porque ela tinha posse da Divina Vontade por ser a Mãe de Deus, mais ela aprendia sobre a Divina Vontade; quanto mais ela a realizava, se enchia cada vez mais de Graça, com uma capacidade cada vez maior. Essa é uma das coisas que vieram à minha cabeça quando eu lia sobre essas coisas.

A essência dos tempos antigos imitava a vida exterior de Jesus. Eles aprenderam pelos Evangelhos, pelo Novo Testamento; aprenderam como Jesus se comportava exteriormente e queriam imitá-lo, imitar a vida dele. Eles tinham muito pouco entendimento sobre sua vida interior, do que Ele era em alma, em perfeita unidade com a Divina Vontade. E neste novo tempo que está vindo, Jesus quer que imitemos não só sua vida exterior, mas também sua vida interior. Na verdade, eu acho que ele terá mais prazer se vivermos sua vida interior do que a exterior, porque desta forma sua vida interior mudará tanto que sua vida exterior também mudará consequentemente; é assim que eu vejo. Ele disse: “Eu deixei os Evangelhos para que os homens meditassem sobre eles; eu os dei a eles para que estudassem, lessem, com a ajuda do conhecimento vinda do Espírito Santo através dos séculos.” Ele chama isso de “ABC da religião” e disse que o conhecimento que adquirimos com o Livro do Céu será o resto do alfabeto. Aprenderemos tanto sobre Deus que será incrível, e ficaremos tão encantados com o que vamos ler que vamos desejar ler, ler e ler de novo. Toda vez que lemos coisas do Livro do Céu, ganhamos mais e mais luz. O Livro do Céu é tão profundo de conhecimento sobre Deus e do que Ele quer de nós, que não importa quantas vezes você o leia, você vai querer mais e mais.

Jesus também disse a Luísa que depois que Ele terminou a criação do universo material, Ele quis começar uma nova criação na alma de Adão e Eva. Na verdade Ele começou com Adão, Ele começou a criar em sua alma um universo espiritual, uma galáxia espiritual, estrelas espirituais, sóis espirituais, meteoros espirituais, cometas, etc., tudo na alma de Adão, todas as coisas que são os dons da Divina Vontade. A Divina Vontade é o principal motor de todo e qualquer movimento; isso é o que aprendemos quando crescemos, em escolas católicas, que Deus é o principal motor de todo movimento, que a Divina Vontade tem esse papel. É como a principal engrenagem de um relógio ou de uma máquina: a Divina Vontade faz com que todo o resto do equipamento se mova; se a principal engrenagem para, tudo mais para. Então Jesus usa essa ilustração, que está sempre dando o movimento principal ao universo todo e tudo que há nele. E se ele parasse isso, tudo viria a morrer. Mas Ele disse que quando a alma entra na Vontade dele e toma posse disso, a Divina Vontade passa a reinar e operar em nós,  mas não interferindo na liberdade de Deus, e sim com sua própria vontade. E assim, nos tornamos com Ele, com Deus, motores principais de todo movimento no Universo. Esses são só alguns detalhes do que vamos encontrar no Livro do Céu.

Jesus disse a Luísa, no começo do século XX, várias centenas de anos após o mistério de sua morte na cruz, que nenhuma outra santidade, nem de longe, se aproxima da santidade de viver na Divina Vontade. Esta é uma grande frase. Mas pare para pensar: se Deus está agindo em nós para mover nossos dedos, para coçar nosso rosto, colocar nossas roupas, consertar ou dirigir um carro, se Ele faz todas essas coisas o tempo todo, todos nossos atos são divinos, infinitos, eternos e imensos. Então as ações de Adão e Eva, em seu estado original, eram todas divinas, infinitas, eternas e imensas. E foi isso também que aconteceu com a Virgem Maria, que foi a única depois de Adão e Eva a ter este grande dom antes de Luísa. Luísa é nosso exemplo porque ela foi concebida no pecado original assim como nós. Adão e Eva eram livres do pecado quando foram criados, eram imaculados. Maria foi imaculada. Jesus disse que, embora imaculada, ela ainda poderia ser sua mãe. É bom ser imaculada, mas se ela ainda tivesse uma vontade humana trabalhando e operando nela, ela não poderia ser sua mãe. Quando nós damos a ela o conceito de imaculada, nós também atribuímos o dom da Divina Vontade, o que lhe proporcionou a veracidade de Deus Pai e a permitiu ser a Mãe de Deus. Ainda sobre Adão (Jesus ensinou mais sobre Adão do que sobre Eva, deve ter um motivo para isso), Ele fala muito sobre Adão, porque ele foi o primeiro, e viveu por um tempo na Divina Vontade, mesmo antes de Eva ter sido criada do seu lado. Mas ela também viveu na Divina Vontade; provavelmente em um grau maior do que temos conhecimento, e ela recebeu suas estruturas e seus comandos de Adão, que os recebeu de Deus. Nós aprendemos muito sobre Adão nestes escritos, nós descobrimos que ele foi criado para ser o rei da Terra, ele foi criado para ser o rei de todo o Universo. Deus era o Rei supremo, mas deu a Adão este papel de rei do Universo. Jesus nos ensina que quando entramos na Vontade Divina, nossa alma é espalhada pela Divina Vontade em todos os lugares. Então nós devemos dizer: “Jesus, quero viver na sua Vontade!”. Fazemos isso nas nossas orações, nas orações que Ele pediu que fizéssemos. Mas quando entramos na Divina Vontade, essa nova e divina santidade, nossa alma é espalhada por toda a Vontade Divina, porque está na companhia de Deus; Ele quer isso de nós. Vou ler depois uma passagem muito bonita aqui sobre esta companhia. Para sermos companheiros de Jesus, o tipo de companheiros que Ele quer, Ele quer que estejamos em todo lugar em que Deus está operando, todo lugar em que a Santíssima Trindade esteja fazendo algo. Ele quer que estejamos lá, com Ele; que façamos as coisas junto dele. Isso é ser companhia de Deus. Isso que Ele fez com Adão; tudo que Ele realizava, lá estava Adão.

Na próxima parte vou falar sobre Luísa Piccarreta e a Igreja Católica, o que a Igreja Católica está fazendo sobre isso, o que está acontecendo agora em nosso tempo presente. Mas antes de iniciar este assunto, vou precisar ler uma passagem sobre a companhia que estávamos falando, que é muito bonita para ser deixada de fora.

Tradução: Pâmela Zambuzzi (texto) / Fernando Nascimento (voz)