AcesseApelo maternal da Rainha do Céu

Acesse: Oração à Rainha Celestial para cada dia do mês de maio

 

A alma à divina Secretária:

Mãe Rainha, aqui estou prostrada aos seus pés. Eu sinto que, como sua filha, não sei ficar sem minha Mãe Celestial. Embora vindo hoje até mim com a glória do Cetro de Comando e com a coroa da Rainha, é sempre a minha Mãe. Tremendo, eu me lanço em seus braços, para que me cure das feridas que minha vontade perversa fizera à minha pobre alma. Ouça, minha Soberana Mãe, se a Senhora não fizer um prodígio, se não tomar o Cetro de Comando para me guiar e governar todos os meus atos, para garantir que meu querer não tenha vida, ah! então não terei a bela sorte de entrar no Reino da Divina Vontade. 

Lição da Rainha do Céu:

Minha querida filha, venha nos braços de sua Mãe e preste atenção ao me ouvir; e você perceberá os prodígios inéditos que o Fiat Divino realizou em sua Mãe Celestial.

Quando tomei posse do Reino da Divina Vontade, os seus passos findaram em mim. Esses seis passos simbolizavam os seis dias da Criação: em cada um desses dias, pronunciando um “Fiat”, fez como um passo, ao passar da criação de uma coisa à outra; no sexto dia, fez o último passo dizendo: “Fiat! Façamos o homem à nossa imagem e semelhança“; e no sétimo repousou em Suas obras, querendo desfrutar de tudo que criou com tanta magnificência. E Deus, em seu repouso, olhando para as suas obras, disse: “Quão belas são as nossas obras! Tudo é ordem e harmonia!” E fixando seu olhar sobre o homem, com a veemência de seu Amor acrescentou: “Mas o mais belo é você, você é a coroa de todas as nossas obras“.

Agora, a minha criação superou todos os outros prodígios da Criação; e, portanto, a Divindade com o seu Fiat quis fazer seis passos em mim e começou Sua vida plena, completa e perfeita na minha alma. E, oh! em que alturas divinas fui colocada pelo Altíssimo! Os Céus não podiam me alcançar nem me conter. A luz do sol era pouca perto da minha luz. Nada criado poderia me alcançar. Atravessei os mares divinos como se fossem meus; e meu Pai celestial, o Filho e o Espírito Santo desejavam-me em seus braços para regozijar-se com sua pequena filha. Oh! que contentamento provavam ao sentir que, como os amava, orava e adorava a Alteza Suprema, o meu amor, minha oração e adoração saíam de dentro da minha alma, do centro da Divina Vontade, e sentiam ondas de amor divino sair de mim, perfumes puríssimos, alegrias incomuns que partiam de dentro do Céu, que o próprio Querer Divino havia formado na minha pequenez, tanto que não paravam de repetir: “Toda bela, toda pura, toda santa é a nossa pequena filha. Suas palavras são cadeias que nos unem, seus olhares são dardos que nos ferem, suas palpitações são flechas que, nos alvejando, nos fazem entrar em delírio de amor!” Sentiam sair de mim a Potência, a Fortaleza de sua Divina Vontade, que nos tornou inseparáveis; e me chamavam: “Nossa filha invencível, que trará vitória mesmo sobre nosso Ser Divino“. 

Agora, ouça-me, minha filha: a Divindade, tomada por um excesso de amor em relação a mim, disse-me: “Nossa querida Filha, nosso Amor não resiste, sente-se sufocado se não lhe confiamos os nossos segredos, portanto a escolhemos como a nossa fiel Secretária; e lhe queremos confiar nossas dores e nossos decretos. A qualquer custo, queremos salvar o homem. Veja como vai ao precipício; sua vontade rebelde o empurra continuamente para o mal; sem a Vida, sem a Força, sem o apoio do nosso Querer Divino, ele se desviou do caminho de seu Criador, e se move rastejando na terra, fraco, doente e cheio de todos os vícios. Mas não há outros caminhos ou meios para salvá-lo, nem outras saídas, se o Verbo Eterno não descer para tomar a sua pobreza, as suas misérias, os seus pecados sobre Si mesmo, fraternizando-se com ele, conquistando-o por meio de amor e dores inéditas, para dar-lhe tanta confiança e trazê-lo de volta para os nossos braços paternos. Oh! como nos aflige a sorte do homem! Nossa dor é grande, pois não podíamos confiá-la a ninguém, porque não tendo uma Vontade Divina que o domine, nunca poderiam entender nossa dor ou os graves males do homem caído no pecado. Mas a quem possui o nosso Fiat, é dado de podê-lo compreender; e, portanto, como nossa Secretária, queremos desvendar-lhe os nossos segredos e colocar em suas mãos o Cetro de Comando para que domine e governe sobre tudo. Seu domínio conquistará Deus e o homem e os trará como filhos regenerados no seu Coração materno”.

Quem pode dizer, querida filha, o que meu Coração sentiu nesta fala divina? Uma veia de dor intensa se abriu em mim; e resolvi, mesmo ao custo da minha vida, ganhar Deus e a criatura e uni-los ao mesmo tempo.

Agora, minha filha, ouça a sua Mãe: eu a vi surpresa ao me ouvir narrar a história da minha posse do Reino da Divina Vontade. Agora, saiba que você também receberá esse destino. Se também decidir nunca fazer a sua vontade, o Querer Divino formará o seu Céu na sua alma; sentirá a inseparabilidade divina; receberá o cetro de comando sobre você mesma, sobre suas paixões. Você não será mais escrava de si mesma, porque a vontade humana sozinha coloca a pobre criatura em escravidão, amarra as asas de amor em relação Àquele que a criou, lhe tira a força, o apoio e a confiança para se jogar nos braços do Pai Celestial, de modo que, não pode conhecer nem os seus segredos nem o grande amor com que a ama, e portanto, vive como um estranho na casa de seu Pai Divino. Que distância o querer humano lança entre o Criador e a criatura!

Portanto, escute-me, faça-me feliz; diga-me que não dará mais vida à sua vontade e eu a preencherei toda de Vontade Divina.

A Alma:

Santa Mãe, ajude-me. Não vê como sou fraca? Suas belas lições me comovem até às lágrimas; e choro a minha grande desgraça de ter tantas vezes caído no labirinto de fazer minha vontade e afastar-me da vontade de meu Criador. Oh! trate-me como Mãe; não me deixe por mim mesma. Com sua potência una o Querer Divino ao meu; guarde-me no seu Coração materno, onde eu terei a certeza de nunca mais fazer a minha vontade. 

Pequena flor:

Hoje, para me honrar, ficará sob meu manto para aprender a viver sob meus olhos; e, recitando-me três “Ave-Marias”, você me pedirá que eu faça conhecer a todos a Divina Vontade. 

Jaculatória:

Mãe Celestial, feche-me em seu Coração para que eu aprenda com a Senhora a viver de Vontade Divina.