Espiritualidade

“Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”

As palavras da oração do “Pai Nosso” guardam o segredo para entrar na comunhão perfeita com Deus. Essas palavras são como “degraus” que nos elevam ao coração do Pai para recebermos o presente do Céu. São os passos que damos no dia-a-dia para que Deus possa formar seu Reino dentro de nosso coração. Vivendo com o céu dentro de nós aqui na terra, poderemos fazer a Vontade do Pai, como Jesus fez. E, para que esse céu possa ser realidade, temos que aprender a viver em sua Divina Vontade.

Jesus nos diz: “Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em Mim, e Eu em vós. Aquele que tem os Meus mandamentos e os guarda, esse é o que Me ama; e aquele que Me ama será amado por meu Pai, e Eu o amarei e Me manifestarei a ele (João 14, 20-27).

Essa harmonia é como uma sinfonia celestial de amor: o Pai ama o Filho e o Filho ama o Pai, obedece ao Pai e o Pai escuta o Filho. Jesus quer nos introduzir nessa “sinfonia divina”, onde ressoa somente “partituras” de alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fé, bravura e moderação. Mas, para isso, é preciso afinar nossos instrumentos, nossos instintos e sintonizar a nossa vida com a onda de Vontade do Pai, com o som do amor do Espírito Santo e com a obediência do Filho.

 Como viver na vontade do Pai?

O primeiro ato que deveríamos ter pela manhã é desejar viver a Vontade do Pai. Para que possamos realizar esse ato preventivo, necessitamos de ajuda. E a única pessoa que conhece o coração do Pai e o ama como Deus é Jesus.

Deus quer que sejamos transformados em Jesus, que nossos pensamentos e sentidos passem pelo filtro do Filho, nos purifique, nos lave em Seu sangue, para que possamos dar a Ele a maior glória, a versão mais perfeita que podemos dar de nós mesmos, que é a de nos vestirmos de Jesus. Todos os nossos pensamentos e afetos, cada batida do nosso coração e todas as nossas obras devem ser colocadas em Jesus; assim, tudo o que fizermos tomará o modo divino.

A verdadeira transformação acontece conhecendo Jesus, acreditando nele cada dia mais. É verdade que é difícil fundir todos os nossos atos em Jesus e nos manter sempre no modo divino, por causa da nossa debilidade humana. Por isso, para suprir a intenção de nossa boa vontade, Ele mesmo vigiará cada pensamento, palavra e batida do nosso coração.

Mas, como fazer a Vontade de Deus na terra, assim como é no céu? A única pessoa que realizou coisas perfeitas nesse mundo foi Jesus. Portanto, para cumprir seu mandado, devemos chamar Jesus a trabalhar em nossos atos, e que seja Ele vivendo em nós, e que seja Ele que faça a sua Vontade em nós. São Paulo intuiu algo do que Jesus quer de nós ao escrever: “Eu vivo, ma já não sou eu; é Cristo que vive em mim” (Gálatas 2, 20).

Jesus quer que amemos como Ele ama, que sejamos perfeitos como o Pai Celestial é perfeito, que sejamos um como o Pai e o Filho são Um; ele quer que façamos a sua Vontade aqui na terra como se faz no céu, que sejamos transformados em Jesus. “O que é impossível para os homens, é possível para Deus” (Lucas 18,27).

A serva de Deus, Luísa Piccarreta, explica como cumprir esses mandados e ser transformados. Luísa, por ordem de seus confessores, escreveu 36 manuscritos, nos quais disse Jesus: “Filha minha, o título que darás ao livro que imprimirás sobre minha Vontade será este: ‘O Reino do Fiat Divino em meio às criaturas’ – Livro do Céu – ‘O chamado da criatura para que volte à ordem, ao seu posto e à finalidade para que foi criada por Deus'”.

Jesus disse à Luisa Piccarreta:

“Filha minha, eu que tudo sei e conheço, vejo que estes escritos serão para minha Igreja como um novo Sol que surgirá nela; e os homens, atraídos pela sua luz resplandecente, se oferecerão para converter-se nessa luz e ser espiritualizados e divinizados; e, assim, renovando-se a Igreja, transformarão a face da terra. A doutrina sobre minha Vontade é a mais pura, a mais bela. Por isso, será como um sol, a mais penetrante, a mais fecunda e a mais bem-vinda e acolhida; e, sendo luz, por si mesma se fará compreender e se abrirá caminho. Não estará sujeita a dúvidas, a suspeitas de erro, e se alguma palavra não se entender será pela sua grande luz, que eclipsando a inteligência humana, não poderão compreender toda a plenitude da verdade, mas não acharão uma palavra que não seja verdade; além do mais, não poderão compreender a verdade do todo. Por isso, em vista do bem que vejo, te exorto para que não deixes de escrever nada. Uma frase, um efeito, uma semelhança sobre minha Vontade pode ser como um orvalho sobre as plantas depois de um dia de sol ardente ou como uma chuva abundante depois de longos meses de seca. Tu não podes compreender todo o bem, a luz, a força que há em uma palavra, mas teu Jesus sabe e sabe a quem há de servir e o bem que há de fazer.”

Autor: Pe. Claudio Barbut

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *