A REDENÇÃO

 

“Enganam-se a si mesmos os que pensam que nossa Suprema Bondade e Infinita Sabedoria teriam deixado o homem apenas com os benefícios da Redenção, sem ressuscitá-lo ao estado original que o criamos”, disse Jesus a Luísa Piccarreta, em nome da Santíssima Trindade.

 

Os escritos de Luísa Piccarreta são únicos na história da Igreja e nos explicam, com grande clareza, o estado original do homem, como ele foi criado por Deus. É uma questão de fé divina que os primeiros seres humanos, Adão e Eva, foram criados em estado de santidade, e que esta realidade está contida no Depósito da Fé; no entanto, esse estado original nunca foi suficientemente e adequadamente entendido ou explicado até nossos tempos.

No século 16, os Padres dogmáticos do Concílio de Trento declararam que não conheciam o Estado Original de Adão e Eva, mas concordaram que eles possuíam a Graça Santificante e lhes foi prometida a imortalidade se permanecessem fiéis a Deus, que eles tinham o dom de integridade e, provavelmente, infundiu neles conhecimento e alguns outros dons sobrenaturais.

A Igreja sempre entendeu que toda a humanidade foi ferida pelo pecado de Adão (Pecado Original) e que o Céu estava fechado para a humanidade, até que o Redentor prometido viesse reabrir o Céu para a raça humana. A Igreja também entendeu que as doutrinas da verdade dadas à Igreja, contidas nas Escrituras, no Novo Testamento e na Tradição, estão sujeitas a desenvolvimento em seu entendimento, sob a influência do Espírito Santo, que ilumina as mentes dos Papas, conselhos de bispos, teólogos, místicos e outros. Então, agora temos a mais maravilhosa iluminação sobre o propósito divino na Criação, o estado original do homem, o propósito primordial da Redenção, o significado autêntico da Oração do Senhor e a maneira e o tempo de seu cumprimento.

Os Escritos de Luísa Piccarreta, que Jesus dá o glorioso título: “O Reino do Fiat no Meio das Criaturas – Livro do Céu – o Chamado à Criatura para Retornar à Ordem, o Lugar e Propósito para o que ele foi criado por Deus”, é um imenso presente para a Igreja, de imensurável valor, porque suas explicações lançam luz sobre os grandes mistérios contidos no Depósito da Fé, que nunca antes foram suficientemente e adequadamente compreendidos. Essas explicações divinas fornecem o conhecimento e a compreensão que permitem que as almas cooperem com a ação da Divina Vontade para retornar ao estado original do homem e todas as manifestações desse estado, para retornar ao propósito da Criação e, assim, permitir que a Redenção tenha seu efeito no reino do tempo.
Vamos, agora, discutir a razão pela qual Nosso Senhor não revelou o Reino da Sua Vontade quando Ele veio à Terra. Jesus disse a Luísa porque Ele não falou sobre o Reino de sua Vontade ou fez saber quando Ele estava na Terra. Ele disse a ela que queria testar criaturas. Ele queria dar-lhes coisas mais baixas do que o que foi dado ao homem na Criação. Ele queria dar às pessoas remédios e outras coisas boas para curá-las e ajudá-las devido à doença que haviam herdado do pecado original de Adão. O homem era saudável, espiritual e corporalmente, no princípio antes do pecado, e poderia viver feliz no Reino da Divina Vontade. Mas quando Adão perdeu este estado original de saúde e felicidade, retirando-se da Vontade Divina para fazer sua própria vontade, ele adoeceu e passou essa herança ruim para a raça humana. Então, Jesus veio como um Médico Divino para ver se a humanidade aceitaria seus remédios e remédios para essa condição caída. E, depois de o homem ter sido testado dessa maneira, Jesus o teria surpreendido trazendo à luz o mistério oculto de sua Vontade contido em sua Oração ao Pai, que Sua Vontade viesse à Terra para que pudesse ser feita como no Céu, onde todos são perfeitamente saudáveis e felizes.

Jesus também apontou para Luísa que, quando Ele veio do céu para a terra, as pessoas eram muito analfabetas sobre as coisas do céu. Se Ele quisesse falar sobre a Divina Vontade e sobre viver nela, eles não teriam sido capazes de entendê-la.

Assim, no “Livro do Céu” aprendemos que Jesus começou a sofrer desde o primeiro instante de sua encarnação no ventre de Maria, e que depois de seu nascimento Ele passou os primeiros 30 anos de sua vida, sua vida oculta, reparando a perda do Dom da Vontade Divina, que fora dada a Adão, e fez tudo o que era necessário para a restauração do Dom da Vontade Divina à humanidade. Então, nos últimos três anos de sua vida, Ele concentrou-se na Redenção – pregando o Evangelho da Redenção, sofrendo e morrendo na Cruz. E com a sua ressurreição, Ele plantou as sementes da ressurreição dos corpos dos seres humanos, no último dia, no fim dos tempos.

Pouco antes de sua mais dolorosa Paixão e Morte, Ele organizou todos os atos de sua vida ao seu redor e orou ao Pai Celestial que o Seu Reino viesse, isto é, que o Reino da Divina Vontade fosse devolvido à humanidade em algum momento futuro. Este foi o “Pai Nosso” ou a Oração do Senhor, que Jesus ensinou aos apóstolos, e eles a nós. Com isso, Jesus nos mostra que Deus não mudou seu propósito para o homem de viver na Vontade Divina, como foi planejado na Criação, e que o que Deus começou, Ele terminará; caso contrário, Ele não estaria agindo de maneira digna e apropriada a Deus.

Os santos imitaram a vida exterior de Jesus, conforme divulgada nos Evangelhos. Alguns faziam isso da maneira mais excelente, mas não conheciam quase nada da vida interior de Jesus – o que sua alma estava fazendo unida à sua Divindade. A Igreja sabia que Jesus tinha uma vida interior, mas não como isso se desenrolava dentro d’Ele. Mas chegou o momento de as almas iniciarem a imitação da vida interior de Jesus, e Ele tornou este mistério conhecido e explicado no “Livro do Céu”.

Saiba mais sobre os outros dois FIAT de Deus. Clique e confira:

Primeiro FIAT

Terceiro FIAT