“…A satisfação que o bendito Jesus experimenta da meditação destas Horas é tão grande que desejaria que destas meditações houvesse pelo menos um exemplar para cada cidade ou aldeia e elas fossem praticadas; então, nessas reparações, Jesus sentiria reproduzir-se a Sua própria voz e as Suas orações, que Ele dirigia ao Seu Pai nas 24 Horas da Sua dolorosa Paixão; e, se isto fosse feito em cada aldeia ou cidade por algumas almas, Jesus parece fazer-me entender que a Justiça Divina ficaria parcialmente aplacada e, em parte, terminariam e seriam interrompidos os Seus flagelos nestes tristes tempos de desgraça e de derramamento de sangue. Reverendo Padre, dirija este apelo a todos; cumpra assim, a pequena obra que o meu amável Jesus me fez realizar…” Extraído de uma carta de Luísa ao seu Confessor extraordinário, Santo Aníbal Maria Di Francia

Adquira o livro

Este livro foi publicado pela primeira vez em 1915, na cidade de Nápoli, na Itália. Sua autora, Luísa Piccarreta, a pequena filha da Divina Vontade, foi escolhida pelo próprio Jesus para escrevê-lo. São relatos que piedosamente acreditamos terem sido ditados pelo Verbo Divino feito homem; relatos das intenções, das reparações e do sofrimento interior vividos por Jesus durante Sua Paixão

As Meditações

Aliviam e repararam o sofrimento de Jesus por tantas injúrias cometidas contra o Seu Sagrado Coração. Jesus disse a serva de Deus Luísa Piccarreta: “Ora, ao contato com estas almas que fazem estas Horas da Minha Paixão, sinto que Me arrancam os cravos, Me tiram os espinhos, Me suavizam as chagas e Me limpam os escarros. Sinto que Me retribuem com o bem, o mal que os outros Me fazem”.