Neste primeiro vídeo de formação, Thomas Fahy, fundador do Centro Luísa Piccarreta para a Divina Vontade dos Estados Unidos, fala sobre o plano original de Deus para seus filhos e como, através de Adão e Eva, a vontade humana separou-se da Divina Vontade.

Pouco tempo antes de Jesus morrer, Ele quis nos ensinar uma oração. Orar por algo que estaria por vir. Essa oração era profética. Ele ensinou aos apóstolos a rezar para que o reino do Pai viesse em algum momento futuro. Ele não usou a palavra: “Pai, seu reino já está aqui e que isso se espalhe por todos os lugares.” Não, Ele disse: “Pai, que seu reino venha”, no futuro. E, imediatamente depois disso, Ele disse: “seja feita na Terra como é feita no Céu”. Existe uma conexão entre o termo: a vinda do Reino do Pai é profetizada e agora nós sabemos que é só quando ele vem, quando o Reino do Pai vem, que seremos capazes de fazer a vontade do Pai como é feita no Céu. Essa oração é uma oração curta, que consiste em apenas 50 palavras. Jesus com sua mente Divina sabia que tinha muito mais o que ser dito, Ele sabia que quando o Reino do Pai viesse nós teríamos que saber sobre ele, teríamos que saber que o Reino está vindo. Teríamos que aprender a fazer a vontade de Deus como é feita no Céu. Então, em sua mente divina Ele tinha mais do que 50 palavras, Ele tinha milhares e milhares de palavras, cheias de segredos, cheias de segredos maravilhosos que agora estão sendo aos poucos desvendados pelo mundo, e nós esperamos que este conhecimento se espalhe para que possamos participar da vinda do Reino do Pai.

Podemos dizer que Deus tivesse três importantes trabalhos (missões) em relação ao homem. O primeiro trabalho podemos chamar de FIAT, e Deus disse: “Faça-se, faça-se”. E toda a criação surgiu, inclusive a raça humana. Depois, infelizmente, em um certo momento, Adão e Eva foram testados e falharam. E eles possuíam o Reino do Pai quando foram criados, mas foram incapazes de fazer a vontade do Pai na terra, ou no paraíso, como é feita no Céu. E eles perderam esse dom, perderam a possibilidade, perderam todas as coisas incrivelmente maravilhosas que Deus incluiu em nós, de ter o Seu Reino em nossas almas. Mas quando Deus criou os homens, criou a alma humana para dar vida ao corpo humano, particularmente a vontade, a vontade humana que seria importante para tudo que iria acontecer daí em diante. Mas Ele também fez algo extraordinário, nós tínhamos o corpo humano e a alma humana que eram compostos de três poderes principais: a vontade, o intelecto e a memória. Então Jesus, ou melhor, a Santíssima Trindade compartilhava entre si o Reino do Pai, e este Reino é eterno, e as três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo, todos possuíam o mesmo Reino, o Reino autêntico de sua Vontade.

E o seu Reino autêntico gera a vida real de Deus, a Vontade Divina os impulsiona a fazer o que queriam fazer. Se não tivessem a Vontade operando neles, eles poderiam possivelmente pensar em coisas, mas não poderiam fazer nada. Essa Vontade que gera vida e a atividade em Deus. Ela também dá vida aos seus atributos e a muitas outras coisas que estamos agora aprendendo com um livro especial, que vai se fazer disponível para o mundo, está se tornando oficialmente disponível por muito tempo, chamado O Livro do Céu. Este livro é escrito nas paredes do Céu e diz tudo sobre o Reino do Pai e como a Trindade queria que este Reino fosse possuído pelos seres humanos. Então, quando Deus criou a alma de Adão, Ele criou um espaço extra e neste espaço foi depositada a própria vontade de Deus, dentro da alma de Adão e de Eva. E com essa vontade, essa divina e eterna vontade dentro deles, receberam o que chamamos de a graciosidade de Deus, porque possuindo a mesma vontade da Santíssima Trindade, eles poderiam na verdade atuar como Deus o faria, agir de maneira divina.

Então, no começo, os passos de Adão e Eva pelo Jardim do Éden não eram simplesmente passos humanos, o movimento dos corpos deles era como um véu que cobria a atividade da Vontade Divina que Deus os havia dado para compartilhar entre si com a Santíssima Trindade. E a razão da Santíssima Trindade querer compartilhar esta Divina Vontade com Adão e Eva era ter companheiros que poderiam fazer tudo junto a eles, compartilhando uma mesma vontade. Quando Deus quisesse que o sol brilhasse, Ele chamava Adão e compartilhava com ele esta atividade Divina, fazer o sol brilhar ou os pássaros voar, os peixes nadar ou os animais correr pelas florestas. Ele queria um relacionamento muito próximo e companheiro com suas primeiras criaturas humanas. As pessoas através dos tempos, quando Jesus veio à Terra, depois de milhares de anos da criação de Adão e Eva, as pessoas eram muito ignorantes quanto às coisas divinas. É verdade que Jesus recuperou o dom divino com sua vida aqui na Terra. Ele recuperou pelos homens, porque se Adão não tivesse pecado, todos nós teríamos a herança da Vontade Divina reinando e operando em nossas almas, faríamos a vontade de Deus como no Céu todo o tempo. Mas quando Adão representou toda a raça humana e afastou a sua vontade da Vontade Divina, começou assim o reino miserável da vontade humana.

E a vontade humana recebeu os traços da Divina Vontade, antes de Adão pecar. A vontade humana recebeu beleza, uma beleza brilhante e cintilante, da Divina Vontade. A vontade humana recebeu santidade, na verdade ela possuía a própria santidade de Deus. E muitos outros atributos e perfeições que Adão e Eva tinham antes de fazer sua própria vontade. Mas, fazendo a vontade própria deles, eles a separaram da fonte de santidade, beleza, poder, sabedoria, conhecimento e assim por diante. Então, esse é nosso patrimônio, não a Vontade Divina, mas o patrimônio que recebemos de nosso pai Adão: a fraca, vacilante, inconstante vontade humana, que pode nos levar para o mal. Então Jesus veio, milhares de anos mais tarde, mas primeiro Deus previu para Adão e Eva, Ele disse para eles que no futuro mandaria um Redentor para redimir a raça humana. E Adão e Eva naturalmente pensaram: “Bem, nós tínhamos essa vida antes de pecarmos, enquanto quando Ele nos redimir, a raça humana vai receber de volta o dom da Divina Vontade.” Porque essa era a única experiência que tiveram antes de pecar e se separar da Vontade Divina. Então, eles estavam esperando e possivelmente disseram a seus filhos que um pouco do que haviam tido antes do pecado voltaria algum dia. Essa era a intenção deles, a esperança, a razão para ensinarem as pessoas a rezar pelo Redentor que viria.

Então no processo do Antigo Testamento, quando as pessoas boas souberam da possibilidade de um Redentor eles sentiram que tinham o dever de rezar pelo Redentor. Quando Jesus diz a Luísa Piccarreta, ela escreveu isso em um período de quarenta anos, nos trinta e seis volumes que ela escreveu no Livro do Céu. Ela demorou quarenta anos para colocar isso em papéis. E Jesus, todo dia, levava sua alma para fora de seu corpo por cinco horas durante a noite e a levava por todo o Universo e explicava a ela todas as razões por Deus ter criado isso ou aquilo. E Ele disse a ela tudo sobre o Reino da Divina Vontade neste período de quarenta anos. E durante o dia, quando sua alma voltava a seu corpo, e a alma dela só voltava depois que um padre vinha ao seu quarto, às 6 horas da manhã e fazia um sinal de cruz em sua mão direita. E Jesus disse a ela: “Eu não precisei de nenhuma cooperação humana quando eu criei o Universo e coloquei Adão como líder da raça humana e ele colaborou comigo em muitas coisas depois disso, mas eu já havia criado o Universo.” E a redenção era algo futuro para eles, a Santíssima Trindade queria outro ser humano para ajudá-la a trazer a redenção. E ele disse que a maior coisa era trabalhar em uma virgem, uma alma desconhecida, e fazer tudo nesta alma e a partir desta alma tudo aconteceria em benefício dos outros.

Então, no tempo dos profetas, eles sabiam que o Redentor nasceria de uma Virgem, mas eles não sabiam quem era ela ou seu nome. Eles não perceberam que quando rezavam por um Redentor, eles também rezavam pela vinda da Virgem Maria, porque ela seria a Mãe de Deus. Então o que era mais importante para Jesus, Ele dizia que o motivo principal para Ele ter descido dos Céus era para reinstaurar ou recuperar o dom perdido, que era a Divina Vontade, que Adão e Eva haviam rejeitado. Porque Adão havia vivido na Divina Vontade por um período de tempo antes de cometer seu maior erro, Ele nos deu o direito a este dom, mas Adão o perdeu e não o conseguiu de volta, e nenhum outro anjo, homem ou mulher, porque é um dom Divino que só podia ser restaurado por um ser Divino. Então a segunda pessoa da Santíssima Trindade, em concordância com a Santíssima Trindade, assumiu a natureza humana no ventre de Maria, e durante sua vida inteira na Terra, unida à Divina Vontade, deu tudo o que era necessário para reestabelecer o patrimônio que Adão nos deveria ter deixado, o patrimônio de viver a Divina Vontade, o que necessita que o Reino do Pai volte para nossas almas e comece a reinar e operar em nós. E com isso seríamos capazes de fazer a vontade de Deus, como é feita no Céu.

Então essa é minha primeira conversa em nossa série para explicar onde estamos. Tenho que dizer mais uma coisa antes de terminarmos. Esta notícia é uma notícia muito, muito boa e está sendo espalhada pelo mundo agora, ainda não para uma grande porcentagem de pessoas, mas está sendo espalhada por todo o mundo. E Jesus diz que o Reino da Vontade de seu Pai vem se O conhecermos.

Tradução: Pâmela Zambuzzi (texto) / Fernando Nascimento (voz)

Saiba mais sobre o 2º vídeo de formação do Thomas Fahy: A ocasião do pecado: O homem perde seu estado original